1 de agosto de 2009

Manuel Bandeira


"Eu faço versos como quem chora

De desalento... de desencanto...

Fecha o meu livro, se por agora

Não tens motivo nenhum de pranto."


Manuel Bandeira