14 de agosto de 2009

A música como forma de protesto

Texto retirado de http://br.noticias.yahoo.com/s/14082009/48/entretenimento-musica-forma-protesto.html

Por Andreas Kisser, colunista do Yahoo! Brasil

A música já é conhecida por ser utilizada para mensagens de protesto e reivindicações, sempre teve o poder de atingir as massas e mudar o curso da História.

Bob Dylan foi um dos primeiros artistas a escrever letras mais sérias, politizadas num período pós Segunda Guerra, num país onde as pessoas estavam acordando para um mundo mais real, depois da euforia da vitória. Letras que contestavam a atitude do povo, do governo e da mídia. Ele inspirou e ainda inspira várias gerações, não só nos Estados Unidos, mas em todo o mundo. A música era muito ingênua antes de Bob Dylan, era inofensiva.

Os Beatles, principalmente John Lennon, tiveram o "aval" de Bob para falar e expressar suas ideias, filosofias e opiniões. Nos anos 60, protestos contra a Guerra do Vietnã, no EUA, e pela Paz, no mundo, espalharam-se pelo planeta, mudando a forma como a mídia iria cobrir as futuras guerras dos norte-americanos.

Jimi Hendrix fez o seu protesto no festival Woodstock, que neste fim de semana completa 40 anos. Foi um marco, a performance mais lembrada e citada do festival. Ele "falou" com sua guitarra. Antes de começar "Purple Haze", ele improvisou o hino nacional norte-americano, incluindo efeitos especiais com a alavanca e pedais delay, wah-wah e o famoso Big Muff, imitando ataques aéreos e de bombas Napalm - que era usadas na guerra do Vietnã - caindo. Foi inesperado, intenso, pesado e muito inspirador. O mundo não foi mais o mesmo depois de Woodstock.

Mas além destes exemplos de música com teor de protesto, o que me instigou a escrever este texto foi um vídeo que eu vi esta semana. Um exemplo espetacular de como a música pode atingir lugares inimagináveis. O vídeo é um clipe de uma banda de country contando uma história baseada em fatos reais, aliás, é a história propriamente dita contada em detalhes.

O clipe conta que como é difícil para uma banda viajar de avião hoje em dia, sendo músico e tendo que despachar os instrumentos no check-in. Instrumentos únicos, caros e que sempre têm um valor sentimental, são quase como filhos, manejado com todos os mimos e atenção. Enfim, o violão do vocalista, Dave Carroll, chega ao destino totalmente destruído, isso porque estava em um estojo duro, geralmente resistente a leves pancadas. A compania aérea não cuidou do violão como um item frágil, com todo o cuidado que merece. Atiraram o estojo como se fosse um saco de batatas, não tiveram o mínimo respeito ou preparo para lidar com o estojo.

Dave lutou pelos seus direitos e por uma indenização por meses, acho que mais de um ano, pelos caminhos certos, legais e claro, muito burocráticos, até que no fim disseram que não podiam fazer nada e que ele teria que arcar com o prejuízo de U$ 3500.

Dave resolveu então contar a sua história através de uma música e um clipe. Postou na internet e tem quase 5 milhões de hits. Incrível! A música é muito bem feita e executada, conta a história com clareza e humor. Depois deste sucesso, a companhia aérea entrou em contato com Dave querendo pagar todos os prejuízos e pedindo para que ele retirasse o video do ar. É claro que Dave não aceitou a proposta e pediu para que mandasse o dinheiro a uma instituição de caridade. Fantástico!

É espetacular ouvir o que a música tem a dizer, especialmente na luta contra o abuso de poder e a arrogância de algumas grandes empresas que nos fazem escravos de seus desejos. O brasileiro não tem muito o costume de protestar, reinvidicar o seus direitos, ser cidadão. Que isso possa nos inspirar a ser mais criativos no combate a estes abusos. Na mídia, no cotidiano, no trabalho, no Senado...

A nossa conivência é o que torna esses abusos possíveis!

Andreas Kisser

video