19 de agosto de 2009

Palavras Quase Ocultas


"Como Rei de meus atos, sinto incontrolavelmente desejos vorazes e paixões sãs. Busco saciar a sede de meu corpo, desflorar o prazer de minha existência, sonhar alto, extingüir paradigmas obsoletos. E não parar nunca, idealizando no íntimo de minha candura a paz árdua de que necessito - a paz de meu alento."