28 de abril de 2011

Chimarrão, doce companhia

Por Vanessa Pinheiro
"Hoje eu acordei mais cedo, tomei sozinho um chimarrão. Procurei a noite na memória... Procurei em vão. Hoje eu acordei mais leve (nem li o jornal). Tudo deve estar suspenso... Nada deve pesar." 

A letra desta música foi composta por Humberto Gessinger, músico admirável, sobre o chimarrão. Ela retrata a leveza e o carinho que nós, principalmente, os gaúchos temos para com essa  bebida e todo o seu ritual.

Estamos no início do inverno aqui no Sul, a estação mais agradável na minha humilde opinião, podem ter dias cinzas, pouco festivos, convidativos ao recanto do lar (mesmo que não seja o seu!), uma boa comida, uma coberta aconchegante, um bom filme e um bom vinho, são ótimas opções para  a noite fria. Já para o dia, quando você acorda e seu rosto está gélido, tem um agradável vento congelante tocando seus cabelos, ah, que sensação maravilhosa! A melhor opção então, é levantar-se e pôr uma água esquentar. Enquanto ela esquenta, prepare a Cuia! Não deixe a água ferver, apenas "chiar!" Após este ritual, pegue seu chimarrão e sente-se em uma varanda, ou aonde possa sentir a brisa na companhia de alguma pessoa especial para você. Digo especial, porque o chimarrão nos remete à essa afeição agradável, quase que nostálgica, são esses momentos eternos, jamais esquecidos...

Há quem não conheça o gosto do chimarrão, aconselho-os a que experimentem. É  um gosto doce e ao mesmo tempo amargo. Doce como um abraço apertado, e amargo como a distância, distância essa que se quebra na "roda de chimarrão", ou como dizemos, "a hora do mate!".

O frio aqui é rigoroso, hoje brando, mas aguardamos esse frio tão esperado, que deixa a paisagem gaúcha tão mais bela e convidativa. Um convite aos turistas, e a estes digo: podem chegar, nossa terra e nosso povo os receberão com muita alegria! Amamos mostrar-lhes nossa cultura e nossas beleza, também nossas falhas para que nos ajudem a corrigi-las, em nosso quintal encontrarão uma cuia de mate a disposição, e em nossos corações, gratidão por escolherem nosso chão!
       
Recebo o início de mais um inverno, mais um inverno em minha vida. Mais um período de lembranças felizes. Então, o que mais posso dizer, a não ser Seja Bem-vindo!