16 de outubro de 2013

Perdoar


Perdoar é um exercício que devemos fazer por nós, antes de mais nada. O perdão egoísta, porque não perdoar nos aprisiona aquele que nos feriu e nos faz carregar, além da ferida, o tormento. Mas não se perturbe com discursos de 'bons samaritanos' e divindades, perdoar leva tempo, perdoe-se também se você não puder fazê-lo, não conseguir é humano e você não deve carregar além do ferida, o tormento e a culpa por não conseguir esquecer. Porque tudo que feriu fundo leva tempo para cicatrizar, a dor também tem seu ciclo. Tampouco se abale com discursos e pedidos daqueles que te feriram e pedem seu perdão, acredite eles o fazem muito mais em seu próprio nome, para se libertarem da culpa, do que com genuína vontade de reparação. 

Então silencie, proteja-se, cuide de você e respeite sua dor. O verdadeiro perdão surgirá naturalmente e servirá, antes de mais nada, para tornar sua vida mais leve, livre da dor. Perdoar é muito nobre, mas isso não significa esquecer e a gente na verdade nunca esquece. Tampouco desculpar significa conviver outra vez com quem nos feriu, é antes aprender para escolher quem seguirá ao nosso lado. Perdoar não é apagar, mas libertar-se, libertar, seguir em frente sem nos tornarmos vítimas das nossas marcas e feridas. 

Perdoar é a tentativa que você faz por você de seguir em paz.

Andréa Beheregaray.