6 de junho de 2015

Buracos na camada de ozônio teriam crescido 40% até 2013 sem o Protocolo de Montreal

Medida de contenção de uso de elementos químicos favoreceu recuperação da proteção natural

Os buracos da camada de ozônio poderiam ter crescido 40% até o ano de 2013 se o Protocolo de Montreal não tivesse sido estipulado. A conclusão consta de um estudo divulgado nesta terça-feira, 26 de maio, pela revista cientifica britânica Nature.
Estipulado em 1987, o Protocolo de Montreal é um tratado internacional que entrou em vigor em 1989 e que foi desenhado para proteger a camada de ozônio ao reduzir a produção e o consumo de várias substâncias que são responsáveis por seu desgaste.
Desde que entrou em vigor, o protocolo restringiu o uso de elementos com altas concentrações em cloro, bromo e outras substâncias prejudiciais à camada de ozônio, o que fez com que esta fosse melhor preservada.
Saúde e clima
A equipe de pesquisadores, liderada pelo professor Martyn Chipperfield, da Universidade de Leeds, utilizou um modelo de química atmosférica para descobrir como o Protocolo de Montreal afetou a camada de ozônio.
Os efeitos para a saúde são difíceis de serem quantificados, mas o estudo estima que aumentou a quantidade de ozônio na estratosfera, o que pôde reduzir os casos de câncer de pele e preservar as temperaturas da atmosfera.
O professor Chipperfield afirmou que sua pesquisa "confirma a importância do protocolo de Montreal e mostra que, graças a ele, foram obtidos benefícios" no que se refere à conservação da camada de ozônio.
"Sabíamos que este protocolo serviria para preservar a perda de ozônio em grande escala, mas com este estudo descobrimos que as coisas poderiam ter sido muito piores se não tivesse sido assinado", destacou o especialista.
Fonte: EcoD