21 de março de 2016

#MondayMba, por Rony Meisler


por Rony Meisler

#MondayMba

Como convencer seu(a) chefe de que ele(a) deveria defender e liberar orçamento para as suas idéias? 

Outro dia um amigo que trabalha para uma grande empresa me contou sobre uma idéia que ele teve para um novo projeto para a companhia.

Me empolguei com a excelente idéia e perguntei o que faltava para colocá-la de pé. O diálogo foi mais ou menos assim:

Eu: “Porque você não coloca a idéia de pé?”

Ele: “Pedi para o meu chefe e ele não me deixou fazer pois era arriscado e não tínhamos orçamento.”

Eu: “E o que você respondeu?”

Ele: “Nada. Engavetei a idéia.”

Aquilo me encasquetou porque imediatamente pensei que certamente na Reserva, todos os dias, acontecia exatamente a mesma coisa.

É normal, principalmente em empresas de médio para grande porte, que idéias sejam travadas pelos processos. Idéias sim, mas pessoas jamais poderiam ser travadas por nada ! E a culpa, neste caso, não é da empresa. A culpa é do ser humano que, na primeira dificuldade, desiste de suas idéias.

O ser humano, por essência, gosta de procrastinar. Nós gostamos de passar problemas adiante e achar outros culpados que não nós mesmos para o fato de não os termos resolvido: “ Eu tive a idéia, mas como ninguém me deixou colocar em prática eu desisti dela. E agora ninguém quer me promover ou aumentar o meu salário.” … Mimimimimimimimimimimimi.

Por outro lado, pura e simplesmente escutar que devemos “batalhar” por nossas idéias não é algo prático e nos coloca numa posição incomoda de continuar sem saber como mudar isso.

Por isso, em nossa última convenção de sede, ao invés de apenas dizer isso para as pessoas resolvi abrir minha apresentação dando um exemplo prático de como isso poderia acontecer. E o resultado foi espetacular. Muita gente me procurou após o evento para dizer como aquele exemplo havia transformado suas percepções, e, além disso, na prática, hoje, em muitos casos de nosso dia a dia, já sinto a diferença na postura das pessoas frente a negativa ou obstáculo no dia a dia de trabalho na Reserva. Se conselho é bom exemplo arrasta !!

Aí vai:

Imagine que o nosso departamento de Visual Merchandising por algum motivo entendesse que caso pintasse todas as nossas vitrines de rosa choque nós passaríamos a vender 30% a mais. O primeiro passo após a idéia seria me procurar para propor a transformação nas 40 lojas da rede e eu diria que não, com certeza.

E então, a líder de nosso departamento de VM poderia engavetar a idéia ou tentar me convencer, na prática e não na teoria, do contrário.

E eu dei para nossa turma um exemplo de como, caso esta fosse uma idéia minha, eu agiria para convencer o meu(a) chefe do contrário:

Eu ligaria para uma empresa de tintas e pediria 1-2 galões na faixa, diria a eles que eu precisava da tinta para provar uma teoria ao meu chefe e que, caso desse certo, faríamos um enorme pedido de tinta para pintar uma rede de 40 lojas. Após isso, contando a mesma história, eu convidaria um pintor a participar do projeto.

Uma vez resolvido o problema orçamentário para o piloto eu perguntaria ao meu chefe qual loja da rede tínhamos o pior resultado em vendas. Dito isto, pediria autorização para um teste, a custo zero, nesta loja. E colocaria uma meta de aumento em vendas após a pintura.

Enfim, se colocado desta maneira tenho certeza absoluta que a probabilidade de negativa cairia enormemente e o teste seria feito.

Agora imagine como eu seria visto na empresa se o teste desse certo e a loja que mal resultava passasse a vender muito ?! Eu passaria a ser a bola da vez, com toda certeza, e teria autorização, e orçamento, para pintar a rede inteira de rosa choque.

Mas e se não desse certo? Se não desse certo eu teria ganhado MUITOS pontos com meu chefe, pelo na minha concepção do que é ser um bom chefe, pelo fato de não desistir jamais de minhas idéias e de batalhar para testá-las para além da teoria.

Empreender nada mais é do que colocar de pé nossos sonhos e idéias. Muitos acreditam que a única forma de empreender é montando o seu próprio negócio, mas o fato é que existe uma enorme oportunidade de empreendedorismo, e consequente destaque, dentro da empresa para a qual trabalhamos. São em movimentos como o do exemplo que nascem os notáveis e futuros líderes de uma companhia. O futuro não é dado para as pessoas, são elas quem o constrói.

Tenho certeza absoluta de que após ler este #MondayMba você lembrou de alguns projetos que havia engavetado após uma negativa como também tenho certeza de que para pelo menos um deles você pensou numa alternativa de teste a custo baixo ou inexistente que comprovaria a sua tese para a pessoa que lhe deu a negativa.

E agora? Vamos parar de mimimi e começar a semana colocando de pé?

Levanta e anda ! - Emicida.

Boa semana !


FONTE: Rony Meisler